Aves

Em todo o planeta estão descritas perto de 10000 espécies de aves. Em Portugal, ocorrem de forma regular 273 espécies. Ocorrem ainda, de forma irregular, 17 outras espécies, para além de várias dezenas de espécies acidentais. Há ainda a referir a presença em Portugal de cerca de 20 espécies catalogadas como exóticas, ou seja, cujas populações resultaram de fugas de cativeiro de aves de estimação ou coleção. De entre o elenco de espécies regularmente registadas em Portugal, 135 são consideradas como residentes, ou seja, encontram-se presentes durante todo o ano no nosso território. Para além destas, 60 espécies estão presentes unicamente durante o inverno (invernantes), e 68 durante o período reprodutor (estivais). Por fim, 22 espécies podem ser consideradas migradoras de passagem, ocorrendo no nosso território unicamente durante os períodos de migração primaveril e outonal.

Estão presentes em Portugal espécies pertencentes a 21 famílias, sendo que apenas existem endemismos nacionais nos arquipélagos da Madeira e dos Açores. No entanto, refira-se que ocorrem no nosso país alguns endemismos ibéricos, como a águia-imperial-ibérica Aquila adalberti, a felosinha-ibérica Phylloscopus ibericus e o charneco Cyanopica cooki. Outras espécies, apesar não serem endemismos nacionais ou ibéricos, têm uma área de distribuição mundial bastante restrita, encontrando na península Ibérica importantes baluartes das suas populações. Neste conjunto de espécies encontram-se a pardela-das-baleares Puffinus mauretanicus, a gaivota-de-audouin Larus audouinii, a cotovia-montesina Galerida theklae, a cotovia-dos-bosques Lullula arborea e o estorninho-preto Sturnus unicolor.

Uma proporção considerável das espécies de aves de ocorrência regular no nosso território, encontra-se ameaçada e catalogada com estatutos de conservação desfavoráveis pelo Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal. De entre estas, 61 espécies estão classificadas nas categorias de conservação mais desfavoráveis, sendo referenciadas como Vulneráveis, Em Perigo ou Criticamente em Perigo.

Adicionar novo comentário