Peixes

Em Portugal continental ocorrem 53 espécies de peixes continentais exclusivamente dulçaquícolas, das quais 23 são endémicas da Península Ibérica. Entre estas contam-se ainda sete espécies endémicas em Portugal. O estudo da história evolutiva recente (nos últimos 2,5 milhões de anos) das espécies de peixes continentais presentes em Portugal continental revelou três forças evolutivas de grande relevância: o agravamento climático associado aos períodos glaciais; o abaixamento do nível do mar associado aos períodos glaciais, e a elevação do maciço central da Península Ibérica no início do período Quaternário.

A emergência do maciço central na Península Ibérica criou uma divisão física entre as bacias hidrográficas localizadas a norte do rio Tejo e as localizadas a sul, o agravamento climático associado aos períodos glaciais, que foi mais intenso a norte dos rios Tejo e Mondego, resultou em contrações muito significativas das populações das espécies presentes nesses rios, e o abaixamento do nível do mar, resultou na confluência dos rios localizados a norte do rio Mondego, que permitiu o fluxo genético entre as populações de presentes nestes rios.

Desta forma, atualmente contam-se mais espécies de peixes continentais nos rios localizados a sul do rio Mondego, que resultaram do isolamento genético das populações presentes nestes rios, e a maioria das espécies autóctones presentes nos rios a norte do Tejo são as mesmas apesar de atualmente não existirem ligações físicas entre estas bacias.

Na área considerada no âmbito do presente Atlas podem ocorrer 17 espécies de peixes continentais, entre as quais seis são migradoras, e as restantes são estritamente dulçaquícolas.

Das seis espécies migradoras que podem ocorrer na área considerada, quatro efetuam migrações entre os meios marinho e fluvial para efetuarem as suas posturas (diádromas) e duas efetuam incursões por meio fluvial que não estão relacionadas como o seu ciclo reprodutor (anfídromas). Entre as restantes 11 espécies, seis são autóctones e cinco são exóticas.

Adicionar novo comentário