Estuário do rio Mira

Ambiente Geomorfológico

O estuário do rio Mira em termos de dimensão e capacidade de carga, representa apenas uma pequena fração do estuário do rio Sado. Não obstante reúne algumas comunidades de grande relevância como extensas áreas de Sapal e, nas zonas mais próximas da foz do estuário existem pequenos bancos de plantas marinhas.

Comunidades presentes

Tal como sucede no estuário do rio Sado, as comunidades presentes no estuário do rio Mira são particularmente ricas e abundantes. Os grupos de espécies mais abundantes são os que constituem a comunidade de invertebrados presentes em substrato móvel, ou seja, os bivalves, os anelídeos, os gastrópodes e os artrópodes decápodes que, por sua vez constituem alimento para espécies de invertebrados de vida livre e para peixes. Nos bancos de Zostera marina também podem ser encontrados juvenis de muitas espécies de peixes e invertebrados que encontram aí abundância de alimento e refúgio.

Em termos de composição, as comunidades presentes no estuário do rio Mira não diferem significativamente das presentes no rio Sado. Contudo, dada a menor dimensão do estuário do Mira, a biomassa total que sustenta é significativamente menor e portanto a área de influência deste estuário sobre os ecossistemas costeiros adjacentes é também menor.

A área marinha costeira imediatamente adjacente à foz do rio Mira é predominantemente arenosa e fortemente modelada pela ondulação e correntes superficiais. Não existem bancos de plantas marinhas e os ecossistemas presentes são constituídos pelas espécies típicas de substrato móvel, que, devido à forte deriva costeira são representados por poucas espécies e apresentam baixa densidade. Nas áreas mais abrigadas onde o aporte de matéria orgânica proveniente do estuário do Mira é maior, as comunidades presentes no infralitoral são mais densas. Na zona intertidal, a forte exposição à ondulação impede o estabelecimento de comunidades ricas e diversas de invertebrados bentónicos.

Adicionar novo comentário