Plantas Marinhas

As plantas marinhas são plantas superiores que se distinguem das algas, por terem raízes, caules, folhas e flores que surgem durante a época de reprodução. Normalmente surgem nos bancos de areia e lodo presentes em zonas com luz abundante e com hidrodinamismo baixo podendo cobrir extensas áreas, formando um dos mais ricos e produtivos ecossistemas marinhos que se conhecem no planeta.

As pradarias marinhas exercem um importante papel na dinâmica sedimentar costeira (deriva costeira) evitando a erosão dos fundos de areia dos locais onde ocorrem, atuam como filtro biológico de contaminantes químicos presentes na coluna de água, permitem a fixação de ricas comunidades de invertebrados marinhos, são uma importante área de maternidade e postura para muitas espécies marinhas para além de constituírem uma fonte de alimento para espécies de vertebrados e invertebrados marinhos herbívoros e detritívoros.

Uma vez que sustentam ricas comunidades de juvenis e invertebrados, as pradarias marinhas também são locais de alimentação utilizados por muitas outras espécies permitindo assim o estabelecimento de uma muito rica e complexa teia trófica nos locais onde ocorrem. O seu desaparecimento, normalmente associado à utilização de artes de pesca de arrasto, extração de inertes e contaminação do meio aquático, resulta sempre na criação de áreas estéreis e consequente empobrecimento dos ecossistemas marinhos locais e adjacentes.

Em Portugal as pradarias marinhas surgem sobretudo em zonas estuarinas e de rias em que as características do sedimento, disponibilidade de luz e hidrodinamismo permitem o seu estabelecimento. À semelhança do que está a acontecer no resto da Europa, a maioria das pradarias marinhas em território nacional está a desaparecer devido à pressão urbana nas zonas costeiras, contaminação e eutrofização do meio marinho, extração de inertes, utilização de artes de pesca de arrasto, destruição devido à implantação de estruturas para aquacultura de bivalves e desbaste acidental associado a atividades que interferem com o leito marinho.

No total surgem três espécies de plantas marinhas em Portugal Continental: a Zostera marina, a Zostera nolti e a Cymodocea nodosa que apenas ocorrem em simpatria na ria Formosa, no Algarve, e estuário do rio Guadiana. Na área considerada apenas existem povoamentos de Zostera marina nos estuários do Sado e do rio Mira.

Fichas de Espécie:

Espécie Ficha Foto Mapa Mapa
Zostera
Marina

Adicionar novo comentário