Inventário do Património Arqueológico de Alcácer do Sal

Compilação de:

  • Carlos Tavares da Silva1
  • Joaquina Soares1
  • Susana Duarte1
  • Ana Paula Covas1

 1Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal.

 

1 -SÃO MARTINHO (HERDADE DO ÁLAMO DE CIMA), Santa Susana

Localização: 38°30'27.96"N; 8°23'22.25"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 457)

Descrição: Cadeia de espirais em ouro.

Cronologia: Idade do Bronze.

Bibliografia / Fontes: CARDOSO, M. 1944; COFFYN, A., 1985; HELENO, M., 1935.

 

2 - SERRINHA (HERDADE DE PALMA), Santa Maria do Castelo

Localização: 38°30'10.18"N; 8°31'39.84"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 467)

Descrição: Dois monumentos megalíticos.

Cronologia: Neo/Calcolíttico.

Bibliografia / Fontes: ZBYSEWSKY, G. et al., 1976.

 

3 - HERDADE DOS ÁLAMOS, Santa Susana

Localização: 38°29'30.87"N; 8°23'23.95"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 468)

Descrição: Dólmen provavelmente já destruído.

Cronologia: Neo-Calcolítico.

Bibliografia / Fontes: LEISNER, G. & LEISNER, V., 1959.

 

4 -HERDADE DE CORTE PEREIRO, Santa Susana

Localização: 38°28'50.55"N; 8°19'52.93"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 468)

Descrição: Pequena escultura de um touro/berrão? em bronze.

Cronologia: Idade do Ferro.

Bibliografia / Fontes: GOMES; M. V., 1986.

 

5 -HERDADE DO PINHEIRO, Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo)

Localização: 38°28'43.38"N; 8°42'54.95"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 466)

Descrição: Conjunto de cinco fornos. Dois deles são contíguos, muito bem construídos com adobes e tijolos cerâmicos e apresentando uma fachada de pedra. A maior parte dos arcos ainda se conserva, bem como alguns vestígios da grelha, constituindo até à data os fornos romanos melhor preservados de Portugal. Este centro de fabrico funcionou do século I ao século V, tendo fabricado os seguintes tipos de ânfora: Dressel 14b (século I - século II), Almagro 51c antiga (século III), Almagro 51c tardia, Almagro 51 a/b e, pelo menos, mais uma forma que não consta das tipologias conhecidas. Para além das ânforas o centro produziu telha, tijolo e cerâmicas comuns. CNANS nº 5285, sítio relacionável com actividade portuária: escoamento por via fluvial.

Cronologia: Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; ALMEIDA, F. et al., 1971; CARDOSO, G., 1978; Idem, 1986;MAYET, F. & TAVARES DA SILVA, C.,1997; Idem, 1998; SOARES, J., 1980; ZBYSZEWSKI, G. et al., 1976.

 

6 -HERDADE DO BERLONGUINHO 1, Santa Susana

Localização: 38°27'56.69"N; 8°26'10.50"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 468)

Descrição: Monumento megalítico completamente destruído.

Cronologia: Neo-Calcolítico.

Bibliografia / Fontes: VASCONCELOS, J. L., 1898.

 

7 -HERDADE DO BERLONGUINHO 2, Santa Susana

Localização: 38°27'48.46"N; 8°26'7.33"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 468)

Descrição: Materiais recolhidos a superfície: cerâmica de construção, pesos de tear, moeda.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; VASCONCELOS, J. L., 1898; VASCONCELOS, J. L., 1927.

 

8 -SANTA SUSANA, Santa Susana

Localização: 38°27'6.19"N; 8°23'45.74"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 468)

Descrição: Referência a um machado de espigas laterais, um punhal de bronze e um vaso carenado.

Cronologia: Idade do Bronze.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

9 -PORTAGEM, Santa Susana

Localização: 38°26'49.42"N; 8°23'45.26"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 468)

Descrição: Provável villa romana, sendo visíveis à superfície bastantes materiais e vestígios de edificações, por uma área muito extensa.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; FARIA, J. C. L. & FERREIRA, M. A., 1986, FERREIRA, C. J. A. et al., 1993.

 

10 -MONTE NOVO, Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo)

Localização: 38°26'35.07"N; 8°37'48.77"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 467)

Descrição: Local onde terão sido produzidas ânforas.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

11 -ABUL, Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo)

Localização: 38°25'42.19"N; 8°40'54.14"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 468)

Descrição: Estabelecimento fenício dos sécs. VII e VI a.C. Nos inícios do séc. I d.C. foi instalado no mesmo local um forno para a produção de ânforas de tipo Dressel 14, que terá funcionado até meados do séc. III. CNANS nº 5286: sítio interpretável como porto natural, em contexto estuarino, dotado de condições de fundeadouro e de varadouro, permitindo o trânsito portuário associável tanto ao estabelecimento de época fenícia como ao escoamento fluvial da produção dos fornos romanos.

Cronologia: Idade do Ferro e Romano.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; ALMEIDA, F. et al., 1971; CARDOSO, G., 1978; CARDOSO, G., 1986; DIOGO, A. M. D., 1983; DIOGO, A. M. D. & FARIA, J. C., 1990; DIOGO, A. M. D. et al., 1987; MAYET, F. & TAVARES DA SILVA, C., 1992; Idem, 2002; Idem, 2005; TAVARES DA SILVA, C. et al., 1980-81; ZBYSZEWSKI, G. et al., 1976.

 

12 -CASTELEJOS, Santa Susana

Localização: 38°25'28.50"N; 8°23'5.19"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 468)

Descrição: Habitat implantado numa área elevada, onde se recolheram alguns achados de superfície, que o caracterizam como um local de habitat.

Cronologia: Idade do Bronze, Idade do Ferro e Romano.

Bibliografia / Fontes: COFFYN, A., 1983; COFFYN, A., 1985; VASCONCELOS, J. L., 1895; VASCONCELOS, J. L., 1896; VASCONCELOS, J. L., 1927.

 

13 -PEGO DO ALTAR, Santa Susana

Localização: 38°25'24.54"N; 8°24'17.61"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 468)

Descrição: Anta completamente destruída.

Cronologia: Neo-Calcolítico.

Bibliografia / Fontes: LEISNER, G. & LEISNER, V., 1959.

 

14 -MONTE DOS CARVALHOS DE BAIXO, Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°25'13.78"N; 8°25'9.59"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 468)

Descrição: Marco miliário anepígrafado relacionado com a via Salacia - Ebora da via XII do Itinerário de Antonino.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO. J., 1988; FARIA, J. C. L. & FERREIRA, M. A., 1986.

 

15 -IGREJA DE VALE DE REIS, São Martinho

Localização: 38°25'12.51"N; 8°29'50.02"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 468)

Descrição: Encontra-se junto ao monte da propriedade, apresentando um conjunto de frescos. Também esta igreja, tal como a de S. Lourenço, poderá assentar sobre um local de origem romana. Junto da sua base foram encontrados fragmentos de Terra Sigillata. No interior da igreja são visíveis, antigas estruturas, componentes de uma anterior edificação.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

16 -PEDRÕES, Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°25'0.71"N; 8°24'54.66"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 468)

Descrição: Provável villa romana, tendo sido detectados numa superfície muito extensa restos de construções.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO. J., 1988; FARIA, J. C. L. & FERREIRA, M. A., 1986.

 

17 -MONTE DA ENCHURRASQUEIRA, Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo)

Localização: 38°24'58.54"N; 8°34'4.49"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 467)

Descrição: Vestígios de entulheiras de olaria de produção de ânforas da forma Beltran IV. Nº CNAS 5288 e 24197 (achados subaquáticos): sítio relacionável com transporte fluvial dos produtos da olaria.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO. J., 1988; CARDOSO, G.,1986; DIOGO, A. M. D., 1983; DIOGO, A. M. D. & FARIA, J. C. L., 1989; DIOGO, A. M. D. & FARIA, J. C. L., 1990; DIOGO, A. M. D. et al., 1984; DIOGO, A. M. D. et al., 1987.

 

18 -VALE DE CEPA, Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo)

Localização: 38°24'58.30"N; 8°35'42.39"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 467)

Descrição: Vestígios de entulheiras atribuíveis a olaria, com ânforas da forma Beltran IV e Almagro 51C, mas produziu ainda cerâmica comum, muito provavelmente, utilizada também no fabrico e transporte de garum.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO. J., 1988; CARDOSO, G., 1986; DIOGO, A. M. D., 1983; DIOGO, A. M. D. & FARIA, J. C. L., 1989; DIOGO, A. M. D. & FARIA, J. C. L., 1990; DIOGO, A. M. D. et al., 1984.

 

19 -MONTE DO BUGIO II (OU MONTE DA FAIA), Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo)

Localização: 38°24'29.88"N; 8°32'14.06"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 467)

Descrição: Entulheiras de olarias com ânforas da forma Beltran IV.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: DIOGO, A. M. D. & FARIA, J. C. L., 1989; DIOGO, A. M. D. & FARIA, J. C. L., 1990; DIOGO, A. M. D. et al., 1987.

 

20 -MONTE NOVO DO SUL, Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo)

Localização: 38°24'24.72"N; 8°40'10.89"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 467)

Descrição: Pequeno cabeço, cortado na vertente oeste pelo traçado do oleoduto. Apresenta contacto visual com a estação arqueológica de Abul, localizando-se na margem oposta deste sítio. Topograficamente apresenta evidente vocação marítima visto que se localiza a escassos metros das margens do Rio Sado. Poderá constituir uma habitação unifamiliar semelhante a outras identificadas na zona da Comporta. Foi identificada cerâmica manual com algum rolamento.

Cronologia: Indeterminado.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

21 -SAPALINHO, Comporta

Localização: 38°24'19.75"N; 8°45'56.23"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 466)

Descrição: Habitat de ar livre com níveis de concheiro e abundante cerâmica. Durante as intervenções arqueológicas apareceu ainda indústria lítica em quartzo leitoso, cerâmica lisa (esféricos, em calote e tipo saco). A sondagem aí realizada por C. T. da Silva e J. Soares revelou um único nível de ocupação numa camada com cerca de 0.50 m de espessura, constituída por areia cinzenta, com abundantes cerâmicas integráveis na fase II do Neolítico da Comporta.

Cronologia: Neolítico.

Bibliografia / Fontes: ANTUNES, M. T., 1983; TAVARES DA SILVA, C. et al., 1986.

 

22 -BARROSINHA (COMPORTA)

Localização: 38°24'14.60"N; 8°46'14.66"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 466)

Descrição: Habitat de ar livre com níveis de concheiro e abundante cerâmica.

Cronologia: Neolítico.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

23 -MONTE DO VALE DE CARVALHO, Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°24'13.28"N; 8°20'26.87"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 477)

Descrição: Necrópole formada por quatro núcleos de sepulturas de tipo cista. Este sítio é igualmente conhecido por Herdade de Vale de Carvalho.

Cronologia: Idade do Bronze.

Bibliografia / Fontes: ARRUDA, A. M. et al., 1980; GOMES etal., 1986; SCHUBART, H., 1975; VASCONCELOS, J. L., 1914; VASCONCELOS, J. L., 1927.

 

24 -HERDADE DO HOSPITAL, Santa Susana

Localização: 38°24'1.32"N; 8°19'14.89"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 477)

Descrição: Necrópole da Idade do Bronze. Encontra-se destruída.

Cronologia: Idade do Bronze.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

25 -PONTAL (COMPORTA), Comporta

Localização: 38°24'9.88"N; 8°46'22.93"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 475)

Descrição: Sítio também designado por Silveira, localiza-se a cerca de 400m para Nordeste da Malhada Alta, na extremidade de uma língua de areia entre duas pequenas rias colmatadas e ocupadas com arrozais. Foi realizada uma sondagem por C. T. da Silva e J. Soares no local, a qual revelou um único nível de ocupação com uma espessura máxima de cerca de 0.60 m, constituído por areia negra com abundante cerâmica integrável na fase I do Neolítico da Comporta e escassos elementos de fauna.

Cronologia: Neolítico Médio.

Bibliografia / Fontes: ANTUNES, M. T., 1983; TAVARAES DA SILVA, C. et al., 1986.

 

26 -CASAS NOVAS, Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo)

Localização: 38°24'4.71"N; 8°36'2.65"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Materiais cerâmicos dispersos a superfície: ânforas de forma Beltran IV, cerâmica doméstica, "sigillata" sud-gálica e hispânica. Não foi ainda possível determinar o tipo de actividade desta estação. Pelo material encontrado pode situar-se cronologicamente, para já, entre os finais do séc. I e o séc. IV d.C., com apogeu entre os séculos II-III. Nº, CNANS 5282: relacionável com trânsito fluvial.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: DIOGO, A. M. D. & FARIA, J. C. L., 1989; DIOGO, A. M. D. & FARIA, J. C. L., 1990; DIOGO, A. M. D. et al., 1987.

 

27 -MALHADA ALTA (COMPORTA), Comporta

Localização: 38°24'3.30"N; 8°46'39.36"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 475)

Descrição: Sítio também designado por Barrosinha em Ribeiro, Zbyzsewski e Ferreira (1985) e Ribeiro e Sangmeister (1967), localiza-se na extremidade de uma língua de areia, a cerca de 200m para Sudoeste do Possanco. Este sítio encontra-se muito afectado pela extracção de areia. Num dos cortes produzidos pela extracção de areia foi possível observar um único nível de ocupação com uma espessura de cerca de 0.40 m, constituído por areia negra e solta, com conchas de moluscos e fragmentos cerâmicos integráveis na fase II do Neolítico da Comporta.

Cronologia: Neolítico.

Bibliografia / Fontes: ANTUNES, M. T., 1983; TAVARES DA SILVA, C. et al., 1986; TAVARES DA SILVA , C. & SOARES, J., 2000.

 

28 -MONTE DA BATALHA, Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo)

Localização: 38°23'56.94"N; 8°34'34.00"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Vestígios de "entulheiros" de olarias de produção de ânforas Beltran IV. CNANS nº 5281, associável a escoamento por via fluvial.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; DIOGO, A. M. D. & FARIA, J. C. L., 1989; DIOGO, A. M. D. & FARIA, J. C. L., 1990;DIOGO, A. M. D. et al., 1987.

 

29 -MONTE DO RAPA,

Localização: 38°23'59.78"N; 8°33'20.56"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Vestígios de “entulheiras” de possível olaria produtora de ânforas da forma Beltran IV.

Cronologia: Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

30 -MONTE DO BUGIO 1, Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo)

Localização: 38°23'50.95"N; 8°32'17.97"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 468)

Descrição: Dois conjuntos de vestígios de "entulheiros" e fornos pertencentes a olaria produtora de ânforas de forma Beltran IV. CNANS nº 5290: sítio relacionável com trânsito fluvial de escoamento de ânforas.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; CARDOSO, G., 1978; CARDOSO, G., 1986; DIOGO, A. M. D., 1980; DIOGO, A. M. D., 1983; DIOGO, A. M. D. & FARIA, J. C. L., 1989; DIOGO, A. M. D. & FARIA, J. C. L., 1990; DIOGO, A. M. D. et al., 1987; TAVARES DA SILVA, C. et al., 1980-81.

 

31 -POSSANCO (COMPORTA), Comporta

Localização: 38°23'48.63"N; 8°46'41.42"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 475)

Descrição: Sítio também conhecido como Malhinha ou Malhadinha, localiza-se a cerca de 600m a Nordeste do sítio do Celeiro Velho, numa zona baixa na margem esquerda de uma pequena ria colmatada e ocupada com arrozais. O sítio foi bastante afectado pela actividade agrícola. C. T. da Silva e J. Soares realizaram no local duas sondagens, as quais revelaram a existência de duas fases de ocupação. A primeira fase era representada por um nível constituído por areia amarelada com fragmentos de cerâmica integráveis na fase II do Neolítico da Comporta; a segunda fase correspondia a níveis de concheiro em que predominava a espécie Ruditapes decussatus que forneceram abundantes materiais integráveis na fase III do Neolítico da Comporta. Antes desta intervenção o sítio já havia sido objecto de dois estudos (Ribeiro, Zbyzsewski e Ferreira, 1985; Ribeiro e Sangmeister, 1967).

Cronologia: Neolítico Final.

Bibliografia / Fontes: ANTUNES, M. T., 1983; FERREIRA et al., 1993, RIBEIRO, L. & SANGMEISTER, E., 1967; TAVARES SILVA, C. et al., 1986.

 

32 -CELEIRO VELHO, Comporta

Localização: 38°23'45.33"N; 8°47'3.92"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 475)

Descrição: Sítio também conhecido por Brejouco, localiza-se numa zona plana na margem esquerda de uma pequena ria colmatada e ocupada com arrozais, a cerca de 250m para Norte do marco geodésico do Cambado. O sítio encontra-se muito destruído devido à extracção de areia. A sondagem realizada por C. T. da Silva e J. Soares no local revelou a existência de um único nível arqueológico, com uma espessura máxima de 0.60 m, constituído por areia negra com abundantes fragmentos de cerâmica, integráveis na fase II do Neolítico da Comporta. A fauna é quase inexistente.

Cronologia: Neolítico.

Bibliografia / Fontes: ANTUNES, M. T., 1983; FERREIRA et al., 1993; TAVARES DA SILVA, C. et al., 1986.

 

33 -SANTA CATARINA DE SÍTIMOS, Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°23'35.57"N; 8°25'53.42"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 477)

Descrição: Foi descoberta em 1977 quando se procedia a trabalhos de alargamento de uma rua nesta localidade. Foi recolhido numa extensa área abundante material: colunas, opus signinum, cerâmica de construção e doméstica, ânforas, terra sigillata itálica, sudgálica e clara, e moedas. Mais tarde foi identificada a necrópole desta propriedade rústica na encosta imediatamente abaixo do Monte de Famais, pois ai apareceu uma sepultura de incineração, do tipo recipiente rectangular em calcário, e ainda uma estela do mesmo material.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; FARIA, J. C. L. & FERREIRA, M. A., 1986; Idem, 1988.

 

34 -HERDADE DE SÃO BRAZ,

Localização: 38°23'19.07"N; 8°28'6.05"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 477)

Descrição: Necrópole.

Cronologia: Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; BAPTISTA, J. C., 1896; VASCONCELOS, J. L., 1898; VASCONCELOS, J. L., 1927.

 

35 -AMEIRA, Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo)

Localização: 38°23'18.60"N; 38°23'18.60"N (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Entulheiras de olaria, com ânforas Beltran IV.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: DIOGO, A. M. D. & FARIA, J. C. L., 1989; Idem, 1990.

 

36 -PORTO DA LAMA,

Localização: 38°23'10.38"N; 8°27'5.42"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 477)

Descrição: Provável villa, com abundantes materiais (principalmente fragmentos de cerâmica) e estruturas distribuídas à superfície por uma área muito extensa. Foi descoberta em 1948 por Abel Viana.

Cronologia: Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; ENCARNAÇÃO, J., 1984; FARIA, J. L. & FERREIRA, M. A., 1986; VIANA, A., 1948.

 

37 -HORTA DE CIMA, Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo)

Localização: 38°22'45.39"N; 8°35'27.12"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Estatuetas representando "Orantes de bronze".

Cronologia: Idade do Ferro.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

38 -OLIVAL DA PEDREIRA,

Localização: 38°23'7.35"N; 8°30'58.74"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Área com materiais à superfície do terreno: Opus signinum, cerâmica de construção e de uso comum, dolia, sigillata itálica e sudgálica, ânforas, vidros.

Cronologia: Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; FARIA, J. L. & FERREIRA, M. A., 1986.

 

39 -OLIVAL DE SÃO JOÃO,

Localização: 38°22'58.81"N; 8°31'11.92"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Na área envolvente, resultante de prospecções de superfície foram encontradas: lucernas, vidros, moedas de Augusto, cerâmica de construção e comum.

Cronologia: Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; FARIA, J. L. & FERREIRA, M. A., 1986; QUINTELA, A. C. et al., 1986.

 

40 -HORTA DO CRESPO, Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°22'57.39"N; 8°30'46.99"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Foram detectados à superfície, cerâmica comum (sigillata sud-gálica), 4 numismas, pesos de tear, ânforas, dolia.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

41 -OLIVAL DO JOSÉ LINCE,

Localização: 38°22'45.08"N; 8°29'51.73"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 477)

Descrição: Área reduzida, com materiais a superfície: cerâmica de construção e de uso comum, ânforas, fragmentos de opus sgninum.

Cronologia: : Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; FARIA, J. L. & FERREIRA, M. A., 1986.

 

42 -TELHADA,

Localização: 38°22'48.66"N; 8°32'5.21"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Vestígios de “entulheiras” atribuíveis a olaria, com ânforas das formas Beltran IV e Almagro 51C/Dressel 30.

Cronologia: Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: DIOGO, A. M. D. & FARIA, J. C. L., 1989; Idem, 1990.

 

43 -PARVOÍCE,

Localização: 38°22'40.90"N; 8°31'26.22"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Dois fornos e restos de “entulheiras” de olaria de produção de ânforas da forma Beltran IV.

Cronologia: Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: DIOGO, A. M. D. & FARIA, J. C. L., 1989; Idem, 1990; DIOGO, A. M. D. et al., 1987.

 

44 -OLIVAL DO SENHOR DOS MÁRTIRES,

Localização: 38°22'26.52"N; 8°31'35.97"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: O cemitério pré-romano do Senhor dos Mártires foi casualmente descoberto em 1874 e depois nos anos 20 do século XX escavado por Virgílio Correia. As formas de enterramento por ele observadas distingue quatro tipos diferentes: em urna cinerária de cerâmica coberta por uma espécie de prato em tronco de cone; em urna cinerária de gola curta e estreita coberta por uma laje de xisto ou por uma tampa de cerâmica de covo semiesférico e abas direitas, colocada sobre a rocha do fundo em cavidades ovais ou elípticas; constituído por uma aglomeração de cinzas e ossos assentado directamente sobre a rocha do fundo ou na terra; constituído por uma escavação rectangular aberta na rocha do fundo no interior da qual se encontra recortada uma outra, mais pequena, do mesmo formato, contendo cinzas, fragmentos ósseos, armas, joias e vasinhos rituais. Posteriores trabalhos de Cavaleiro Paixão nos anos 60 não permitiram referenciar um número e uma variedade de enterramentos intactos que permitisse confirmar integralmente a tipologia apresentada por Correia, tendo sido escavado um conjunto de vinte e sete sepulturas de incineração.

Cronologia: Idade do Ferro.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

45 -MOINHO DA ORDEM, Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo)

Localização: 38°22'29.73"N; 8°32'58.70"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Vestígios de entulheiras de possíveis olarias de produção de ânforas de forma Beltran IV.

Cronologia: Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

46 -NECRÓPOLE DE SÃO FRANCISCO, Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°22'29.64"N; 8°30'40.23"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Situada no topo de uma pequena elevação e prolongando-se para as encostas Nascente, Poente e Sul, encontra-se à superfície abundantes fragmentos cerâmicos da Idade do Ferro e do Período Romano. Nos taludes situados a Sul e a Nascente são visíveis algumas ossadas presumivelmente da Época Cristã, face à proximidade do convento de Santo António. No decurso dos trabalhos efectuados em 1999 foi identificada uma importante necrópole sidérico-romana, com abundante e rico espólio arqueológico associado a alguns enterramentos. De realçar igualmente o achado de uma sepultura de inumação de muçulmano a indicar claramente que este sítio foi desde épocas bastante remotas e até praticamente à actualidade (o cemitério actual encontra-se nas proximidades), utilizado como tal.

Cronologia: Idade do Ferro, Romano e Medieval Islâmico.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

47 -ALCÁCER DO SAL - SÃO FRANCISCO/ EN 5, Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°22'27.22"N; 8°30'44.61"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Durante os trabalhos de colocação de um colector de águas pluviais e esgotos, na antiga estrada nº 5, detectou-se a presença de um pavimento romano em "opus signinum" muito provavelmente relacionado com uma estrutura de natureza hidráulica romana. Verificou-se uma total ausência de espólio arqueológico.

Cronologia: Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

48 -SANTUÁRIO DO SENHOR DOS MÁRTIRES, Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo)

Localização: 38°22'20.36"N; 8°31'15.67"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Monumento primeiro erigido no século XIII, regista remodelações e edificações ao longo dos séculos. A intervenção em torno do exterior da nave principal, permitiu identificar as fundações de uma capela do século XV e algumas sepulturas de inumação.

Cronologia: Medieval Cristão e Moderno.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

49 -AZINHAGA DO SENHOR DOS MÁRTIRES, Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo)

Localização: 38°22'20.37"N; 8°31'11.55"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Necrópole de época romana. Apresenta quatros tipologias diferentes de sepulturas: em urnas, em caixa de forma quadrangular talhada na pedra, sepulturas constituídas em laterae dispostas em cutelo e cobertas por uma série de outras colocadas horizontalmente sobre os primeiros de molde a formar uma caixa, e por fim sepulturas em fossa.

Cronologia: Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

50 -ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALCÁCER DO SAL, Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo)

Localização: 38°22'21.06"N; 8°31'0.71"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: No decorrer dos trabalhos de remodelação desta escola confirmou-se que a zona foi ocupada por um espaço de necrópole em época romana, identificando-se cinco enterramentos, quatro dos quais já bastante danificado por construções anteriores.

Cronologia: Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

51 -CASTELO DE ALCÁCER DO SAL, Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo)

Localização: 38°22'20.45"N; 8°30'46.83"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Subsistem panos de muralhas de taipa e alvenaria que circundam parte da vila. A alcáçova foi adaptada a convento - Nossa Senhora de Aracaeli. Algumas das torres tem vindo a ser reconstruídas. Foram postas a descoberto estruturas da Idade do Ferro, romanas e muçulmanas.

Cronologia: Idade do Ferro, Romano, Medieval Islâmico e Medieval Cristão.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

52 -FONTAINHAS, Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°22'22.16"N; 8°30'18.00"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Vestígios de possível forno de fundição . À superfície foram detectados, numa área com cerca de 100m2, "lateres" com escória de ferro aderente e fragmentos de dolia. No Estudo Prévio do IC 33 Nó de Grândola(Norte)/Évora o sítio é localizado administrativamente em Setúbal/Alcácer do Sal/Torrão (C.M.P.-487).

Cronologia: Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

53 -ÁLAMO DA ESTRADA, Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°22'20.48"N; 8°30'38.59"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Recolhido na Herdade do Álamo, junto à estrada, foram encontrados 20 anéis e moedas de ouro com 6 ou 7 espirais, oscilando de diâmetro entre 44 e 50mm e o fio de 1 ou 2 mm de calibre.

Cronologia: Idade do Bronze.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

54 -HORTA DAS PONCES, Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo)

Localização: 38°22'19.15"N; 8°31'49.73"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Neste mesmo sítio abundam fragmentos de cerâmica romana. A actual estrada cortou sensivelmente a meio esta estação arqueológica, mas, em ambos os lados, podemos ver in situ restos de pavimentos em opus signinum, bem como algumas paredes de pedra e lateres, ligados por argamassa. (Faria, 2002)

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

55 -BAIRRO DO CRESPO, Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°22'14.05"N; 8°30'20.02"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Necrópole de inumação séc. III d.C.

Cronologia: Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

56 -OLIVAL DE NOSSA SENHORA D' AIRES, Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°22'6.82"N; 8°29'41.84"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 477)

Descrição: Provável villa com abundante material cerâmico a superfície.

Cronologia: Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

57 -MORGADA,

Localização: 38°22'0.24"N; 8°32'13.06"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 476)

Descrição: Vestígios de entulheiras de possível olaria, de produção de ânforas da forma Beltran IV.

Cronologia: Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

58 -BARROSINHA I, Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°21'49.53"N; 8°28'54.42"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 477)

Descrição: Cascalheira sobre terraço com indústrias líticas.

Cronologia: Paleolítico.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

59 -MONTE DA BOAVISTA 1, Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°21'52.53"N; 8°20'5.50"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 477)

Descrição: Mancha de ocupação caracterizada pela presença de três lascas e duas lâminas em quartzo leitoso, uma lasca em material arenítico, um núcleo em quartzito e um fragmento de movente de mó em granito. Os materiais lascados enquadram-se no Paleolítico, enquanto que o movente é enquadrável na pré-história recente.

Cronologia: Paleolítico e Neo-Calcolítico.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

60 -HERDADE DA BARROSINHA II, Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°21'19.15"N; 8°29'3.55"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 477)

Descrição: Villa com necrópole e olaria produtora de ânforas de forma Beltran IV. CNANS nº 5291: sítio relacionável com trânsito fluvial.

Cronologia: Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

61 -ARAPOUCA 2, Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°18'47.37"N; 8°29'28.42"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: Forno de dollia e ânforas Dressel 14, na base da elevação, onde se situa a jazida mesolítica.

Cronologia: Romano Imperial.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

62 -ARAPOUCA 1 ou ARAPOUCO, Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°18'33.12"N; 8°29'24.00"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: Jazida de ar livre com níveis de concheiro.

Cronologia: Mesolítico.

Bibliografia / Fontes: ARNAUD, J. M., 1987; REIS, 2013.

 

63 -ANTA DESÃO FRAUSTO 1 (OU FAUSTO), Torrão

Localização: 38°18'44.86"N; 8°14'9.83"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: Neste sítio erguia-se uma ermida dedicada a São Fausto, a Capela da Lapa de São Fausto. A antiga ermida, que se encontra actualmente destruída, reaproveitou em parte um antigo monumento megalítico. Durante a Idade Média foi construída uma estrutura de forma ovalada sobre o chapéu da anta, e que originalmente o envolveria completamente, neste "nicho" construído na anta guardava-se a estátua do mártir. Os vestígios pré-históricos encontram-se bem documentados, quer na anta, quer pelo aproveitamento para um dos seus elementos de um bloco de pedra com covinhas, provavelmente gravadas em época anterior à sua construção.

Cronologia: Neo-Calcolítico e Calcolítico.

Bibliografia / Fontes: VASCONCELOS, J. L., 1898; Idem, 1927.

 

64 - SÃO FAUSTO 2 (OU FRAÚSTO), Torrão

Localização: 38°18'31.72"N; 8°14'9.43"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: Junto das ruínas da ermida de S. Frausto foram encontrados numerosos fragmentos de cerâmica comum e, principalmente, de construção (tegulae, imbrices e lateres).

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; ALMEIDA, J. M. & FERREIRA, F. B., 1969.

 

65 - PEDRA DA ANTA, Torrão

Localização: 38°18'28.56"N; 8°13'36.92"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: Anta que se encontra destruída desde 1898.

Cronologia: Neo-Calcolítico.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

66 - FONTE SANTA, Torrão

Localização: 38°17'52.94"N; 8°13'20.34"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: Em 1903 num sítio conhecido como Fonte Santa, foram identificados alguns materiais de construção aparentemente romanos, dos quais se destacam algumas tegulae e restos de uma construção revestida a opus signinum. Foi também identificada uma coluna de mármore, aparentemente romana e localizada junto ao mercado da povoação e proveniente da Igreja de São Roque. De salientar uma ara anepigrafada, decorada com um jarro e uma patera com umbo, depositada no claustro da Igreja da Misericórdia, mas da qual se desconhece a proveniência exacta. Recolheram-se ainda fragmentos de vidro romano no Cemitério da Matriz.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: Endovélico

 

67 - CASTELOS DO TORRÃO,Torrão

Localização: 38°17'49.67"N; 8°13'45.10"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: Povoado de onde provêm algum material cerâmico de época Calcolítica. Os vestígios estendem-se por mais de 400 metros para Este.

Cronologia: Calcolítico e Idade do Bronze.

Bibliografia / Fontes: TAVARES DA SILVA, C. & SOARES, J. 1986.

 

68 - AREZ 2,Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°17'50.61"N; 8°29'18.31"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: Em zona recuada à linha de água, identificou-se uma mancha de materiais cerâmicos de uso comum. A área de dispersão dos materiais é de aproximadamente 750 metros quadrados.

Cronologia: Indeterminado.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

69 - AREZ 1,Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°17'46.89"N; 8°29'12.66"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: Em zona sobranceira a linha de água subsidiária do Rio Sado, identificou-se um conjunto de material cerâmico cujas tipologias sugerem uma cronologia romana. A área de dispersão é de cerca de 2300 metros quadrados.

Cronologia: Indeterminado.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

70 - PENEDO MINHOTO, Torrão

Localização: 38°17'40.00"N; 8°13'28.29"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: Área urbana do Torrão. Necrópole muito destruída. Estudadas duas sepulturas de inumação

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

71 - CASTELOS, Torrão

Localização: 38°17'40.20"N; 8°13'52.92"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: O povoado situa-se na zona de cota mais elevada da vila do Torrão, com ocupação do Calcolítico e Idade do Bronze.

Cronologia: Calcolítico, Idade do Bronze e Moderno

Bibliografia / Fontes: Endovélico

 

72 - PASSADEIRAS, Torrão

Localização: 38°17'34.05"N; 8°14'15.06"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: Villa.Na envolvente da albufeira a área possui cobertura herbácea baixa e muito densa, maioritariamente nula para observação de materiais de superfície. (Fonte de informação: Plano de bacio hidrográfica do Rio Sado, anexo temático 8).

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

73 - MONTE DA TUMBA, Torrão

Localização: 38°17'30.94"N; 8°13'43.97"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: Povoado fortificado apresentando espessa linha de muralha guarnecida com bastiões e uma torre central.

Cronologia: Calcolítico.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

74 - NOSSA SENHORA DO TORRÃO, Torrão

Localização: 38°17'30.48"N; 8°13'28.36"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: Capela datada de 1145, teria substituído a primitiva capela - eremitério, como sugerem as sete sepulturas antropomórficas escavadas na rocha (mutiladas). No altar surgiu uma ara epigrafada, com caracteres desfeitos. O topo da referida ara foi escavado para a inserção de uma pequena caixa com relíquias.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

75 - PORTO REI

Localização: 38°17'27.56"N; 8°24'30.55"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: Numerosos fragmentos de cerâmica obtidos por recolhas de superfície.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988.

 

76 - VALE DO REBOLADOR/CABEÇO DO GUIZO, Alcácer do Sal (Santiago)

Localização: 38°17'9.12"N; 8°26'43.20"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: Jazida de ar livre com níveis de concheiro.

Cronologia: Mesolítico.

Bibliografia / Fontes: ARNAUD, J. M. 1987; Idem, 1989; MACHADO, J. L. S., 1964.

 

77 - PORTINHO

Localização: 38°17'13.02"N; 8°24'14.00"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: Recolhas de superfície, designadamente de cerâmica de construção e doméstica, terra sigillata, moedas e fragmentos de opus signinum.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; SAA, M., 1956.

 

78 - CASA BRANCA

Localização: 38°17'1.83"N; 8°23'51.93"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: Troço de “calçada” viária, totalmente destruído.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; BAPTISTA, J. C., 1896.

 

79 - MONTE DOS MORTAIS, Torrão

Localização: 38°17'3.04"N; 8°11'20.81"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: Concentração de fragmentos cerâmicos, grosseiros e bastante desgastados. Identificaram-se lascas de sílex e quartzo, associadas a telhas e tegulae, materiais de construção enquadráveis em Época Romana. As características de algum espólio cerâmico sugerem ocupação mais antiga (Calcolítico). Localizada em parcela de cultivo de girassol. Boa visibilidade geral.

Cronologia: Calcolítico e Romano.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

80 - MONTE DAS CORTES PEQUENAS 3, Torrão

Localização: 38°17'2.24"N; 8° 8'37.63"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: Num pequeno cabeço, pouco destacado na paisagem, nas imediações de um regato de regime sazonal, foi identificada uma área de dispersão de materiais, constituida essencialmente por cerâmica comum e cerâmica de construção de cronologia romana.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

81 - MONTE DO VALE DO PARAÍSO DE CIMA 1, Torrão

Localização: 38°16'55.07"N; 8°10'46.74"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: O sítio assenta em pequeno cabeço, povoado por montado. Orienta-se aproximadamente, em vertente virada para a linha de água. Dispersão de material cerâmico de cronologia romana. Grande concentração de materiais de construção da mesma época, em posição horizontal, indiciando derrube ocorrido no local.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

82 - Monte do Vale do Paraíso de Cima 2, Torrão

Localização: 38°16'45.44"N; 8°10'30.45"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: Lascas de quartzo, aparentemente com retoque. Artefactos raros e pouco dispersos. Designado no EIA como Monte do Vale de Paraíso de Cima 4.

Cronologia: Indeterminado.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

83 - CABEÇO DA MINA, Torrão

Localização: 38°16'24.99"N; 8° 8'11.78"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: Habitat situado sobre extensa colina onde foi detectado um único nível de ocupação do Neolítico final/Calcolítico.

Cronologia: Neolítico final/Calcolítico.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

84 - SÃO JOÃO DOS AZINHAIS, Torrão

Localização: 38°16'25.68"N; 8°15'47.94"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: Neste local foi descoberta uma inscrição funerária e uma outra consagrada a Iuppiter Optimus Maximus. Eventualmente correspondente a uma villa romana pertencente a uma das famílias mais importantes do município de Salacia. Este sítio apresenta uma ocupação durante a época visigótica. Na actual capela (Capela de São João Baptista construída no século XVII) que lhe é adjacente encontra-se uma inscrição dedicada aos SS. Justo e Pastor datada de 682 d.C.

Cronologia: Romano e Alta Idade Média.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

85 - VÁRZEA DA MÓ, Torrão

Localização: 38°16'24.15"N; 8°21'4.72"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: Jazida de ar livre com níveis de concheiro. O sítio foi escavado nas décadas de 50/60.

Cronologia: Mesolítico e Neolítico.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

86 - MONTE DAS CORTES GRANDES, Torrão

Localização: 38°16'17.48"N; 8° 9'54.10"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: Concentração de espólio cerâmico, exibindo pasta bastante grosseira. Ocupação localiza-se em vertente suave, orientada para o curso de linha de água. Foram identificados materiais de construção e de armazenamento, nomeadamente tegulae, telha e dolium. NO EIA de vale de gaio foi designado como Monte das Cortes Grandes 2.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

87 - BARRADA DO GRILO, Torrão

Localização: 38°16'15.34"N; 8°20'4.19"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: Área com um núcleo de ocupação do Mesolítico e outro do Calcolítico final com cerâmica campaniforme incisa. Não são visíveis estruturas.

Cronologia: Mesolítico e Calcolítico.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

88 - HERDADE DE FRADES, Torrão

Localização: 38°16'13.01"N; 8°22'1.53"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: Neste local foram identificados vestígios de alicerces, tegulae, imbrices, fragmentos de ânfora e um grande conjunto de material romano do qual se destaca uma bacia em bronze, duas enxadas de ferro, um dolium intacto com duas asas. Em 1975 foi oferecida por um particular uma ânfora intacta recolhida nas imediações desta propriedade. Todo o material está conservado no Museu Municipal Pedro Nunes em Alcácer do Sal.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

89 - MONTE DAS CORTES PEQUENAS 2, Torrão

Localização: 38°16'12.11"N; 8° 9'12.34"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: Pequena mancha de dispersão, que não supera 100m2, de materiais cerâmicos, de características atípicas, muito desgastados e de pequena dimensão.

Cronologia: Indeterminado.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

90 - MONTE DAS CORTES PEQUENAS 1, Torrão

Localização: 38°16'9.16"N; 8° 8'49.36"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 487)

Descrição: Numa pequena elevação, destacada na paisagem, a cerca de 300 m a Este do curral de gado taurino. Foi possível identificar alguns artefactos líticos sobre xisto jaspóide e ainda fragmentos cerâmicos de fabrico manual, numa área reduzida.

Cronologia: Indeterminado.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

91 - FONTE DA MINA, Torrão

Localização: 38°15'33.92"N; 8°25'45.59"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: Jazida de ar livre constituída por três camadas distintas, a última das quais contendo um depósito de concheiro de berbigão e alguma amêijoa, restos faunísticos e uma indústria lítica representada por pequenos núcleos para lamelas em sílex.

Cronologia: Mesolítico.

Bibliografia / Fontes: ARNAUD, J. M., 1989; SANTOS, M. F., 1968.

 

92 - PORTANCHO

Localização: 38°15'24.68"N; 8°22'54.46"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: Área relativamente pequena, com cerca de 100 m2, de limites mal definidos, onde se encontraram, segundo Barradas, lascas atípicas (sobretudo de quartzito).

Cronologia: Mesolítico e Neolítico.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

93 - VALE DE ROMEIRAS, Torrão

Localização: 38°15'21.57"N; 8°20'44.67"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: Jazida de ar livre com níveis de concheiro. Tinha uma área estimada em 54 m2. Foi totalmente escavado. É o concheiro que apresenta maior número de sepulturas.

Cronologia: Mesolítico e Neolítico.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

94 - POÇAS DE SÃO BENTO, Torrão

Localização: 38°15'20.75"N; 8°26'13.34"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: O concheiro apresentava inicialmente uma forma ovalada. Os trabalhos arqueológicos aqui efectuados permitiram detectar várias estruturas de combustão (provavelmente relacionadas com o processamento de moluscos), "buracos de poste", e restos antropológicos. A fauna terrestre encontra-se representada por espécies exclusivamente selvagens.

Cronologia: Mesolítico e Neolítico Antigo.

Bibliografia / Fontes: ARAÚJO, 1995-97.

 

95 - PORTO CARRO, Torrão

Localização: 38°15'20.11"N; 8°21'37.39"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: Provável villa. Entre outro espólio obtido em condições acidentais salienta-se uma ânfora contendo tesouro monetário (moedas de Antonino, Probo e Tácito.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; ALMEIDA, J. M. & FERREIRA, F. B., 1969; BAPTISTA, J. C., 1896; ROCHA, M. F. S., 1979.

 

96 - CABEÇO DO PEZ, Torrão

Localização: 38°15'16.93"N; 8°20'29.69"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: É o maior concheiro do Vale do Sado, com uma área estimada em 4000 m2. É constituído por vários níveis de concheiro que embalam restos de estruturas de combustão, provavelmente relacionadas com o processamento de moluscos (berbigão e lamejinha, sobretudo). Os restos faunísticos recuperados até ao momento pertencem exclusivamente a espécies não domesticadas. Esta área foi igualmente utilizada como espaço sepulcral. Este concheiro foi posteriormente reocupado por populações já neolitizadas. Os níveis de ocupação do Neolítico antigo forneceram cerâmica decorada com motivos impressos, incisos e plásticos.

Cronologia: Mesolítico e Neolítico Antigo.

Bibliografia / Fontes: Endovélico.

 

97 - QUINTA DE BAIXO, Torrão

Localização: 38°15'4.27"N; 8°19'26.46"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: Recolhas, à superfície, de utensilagem lítica.

Cronologia: Paleolítico.

Bibliografia / Fontes: ARTHUR, M. L. C, 1953; BARRADAS, L. A., 1948.

 

98 - S. Romão do Sado, Torrão

Localização: 38°14'48.80"N; 8°21'20.32"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: Provável villa. A área compreendida entre o conjunto igreja-cemitério e a povoação tem revelado restos de construções. Quatro grandes fragmentos de aras, três dos quais com inscrições datáveis do século I ao século III, foram recuperados aquando das obras realizadas na igreja matriz de S. Romão.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; ALMEIDA, J. M. & FERREIRA, F. B., 1969; ENCARNAÇÃO, J., 1984.

 

99 - CABEÇO DAS AMOREIRAS, Torrão

Localização: 38°14'47.72"N; 8°21'45.44"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 486)

Descrição: Jazida de ar livre com níveis de concheiro e necrópole

Cronologia: Mesolítico.

Bibliografia / Fontes: ARNAUD, J. M., 1987; Idem, 1989; BARRADAS, L. A., 1936; HELENO, M., 1956; MACHADO, J. L. S., 1964; SANTOS, M. F., 1972; SANTOS, M. F. et al., 1974.

 

100 - QUINTA DE CIMA, Torrão

Localização: 38°12'15.69"N; 8°18'36.19"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 497)

Descrição: Foram identificados alicerces, cerâmica de construção e doméstica, entre as quais fragmentos de ânfora, e vestígios de calçada.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; BAPTISTA, J. C., 1896.

 

101 - ORZALÃO, Torrão

Localização: 38°11'56.22"N; 8°19'38.14"W (C.M.P. 1:25.000, Folha 496)

Descrição: Extensa área revelando à superfície do terreno numerosos fragmentos de cerâmica de construção e doméstica e um peso de lagar. Possível villa.

Cronologia: Romano.

Bibliografia / Fontes: ALARCÃO, J., 1988; FARIA, J. C. L. & FERREIRA, M. A., 1986.

 

Principal Bibliografia Arqueológica do Concelho de Alcácer do Sal

AA.VV. (2007) - Vasos gregos em Portugal. Aquém das colunas de Hércules. Lisboa: Museu Nacional de Arqueologia.

ALARCÃO, J. (1978) - Vidros do Castelo de Alcácer do sal. Setúbal Arqueológica, 6, p. 155-170.

ALARCÃO, J. (1988) - Roman Portugal, 3 vols.. Wartminster: Aris & Phillips Ldt..

ALARCÃO, J. (1990) - Identificação das cidades da Lusitânia portuguesa e dos seus territórios. In Les villes de Lusitanie Romaine. Paris: C.N.R.S., p. 21-34.

ALMEIDA, Fernando de, ZBYSZEWSKI, G. & FERREIRA, O. da Veiga (1971) - Descoberta de fornos lusitano-romanos na região da Marateca (Setúbal). O Arqueólogo Português, 5, S. 3. Lisboa, p. 155-167.

ALMEIDA, J. M. & FERREIRA, F. B. (1969) - Varia epigraphica. Revista de Guimarães, 79. Guimarães, p. 257-260.

ANTUNES, M. T. (1983) - Notícia explicativa da Carta Geológica de Portugal escala 1:50000, folha 39-C. Alcácer do Sal. Lisboa: Serviços Geológicos de Portugal, 58 pp.

ARAÚJO, A. C. (1995-97) [1999] - A indústria lítica do concheiro de Poças de S. Bento, vale do Sado, no seu contexto regional. O Arqueólogo Português, 13-15, S. 4. Lisboa, p. 87-159.

ARNAUD, J. M. (1987) - Os concheiros mesolíticos dos vales do Tejo e do Sado: semelhanças e diferenças. Arqueologia, 15. Porto, p. 53-64.

ARNAUD, J. M. (1989) - The Mesolithic communities of the Sado valley (Portugal) in their ecological setting. In The Mesolithic in Europe – Papers Presented at the III International Symposium/Edinburgh 1985. Edinburgh: John Donald, p. 614-631.

ARNAUD, J. M. (2000) – Os concheiros mesolíticos do Vale do Sado e a exploração dos recursos estuarinos (nos tempos pré-históricos e na actualidade). Actas do Encontro sobre a Arqueologia da Arrábida. Lisboa: IPA, p. 21-43.

ARNAUD, J. (2002) – O Mesolítico e o processo de neolitização: passado, presente e futuro. In Arqueologia 2000. Balanço de um século de investigação arqueológica em Portugal (Arqueologia & História, 54). Lisboa: Associação dos Arqueólogos Portugueses, p. 57-74.

ARRUDA, A. M.; GONÇALVES, V.; GIL, F. B.; FERREIRA, G. (1980) - A necrópole da Idade do Bronze do Monte de Vale de Carvalho (Sítimos). Clio, II, p. 59-66.

ARTHUR, M. L. C. (1953) - Dos retratos romanos de Alcácer do Sal (Portugal). L’Année Épigraphique. Révue des Publications Épigraphiques relatives à l’Antiquité Romaine, 26, p. 404-407.

BAPTISTA, J. C. (1896) - Salacia. O Arqueólogo Português, 2, S. 1, p.143-144.

BARRADAS, L. A. (1936) - Concheiros do Vale do Sado. Anais da Faculdade de Ciências do Porto, 21 (3), Porto, p. 175-179.

BARRADAS, L. A. (1948) – Contribuições para o estudo do paleolítico português. Trabalhos deAntropologia e Etnologia, 11 (3-4). Porto, p. 272-278.

CARDOSO, G. (1978) - Ânforas romanas do Museu do Mar (Cascais). Conimbriga, 17. Coimbra, p. 63-78.

CARDOSO, G. (1986) - Fornos de ânforas romanos na bacia do rio Sado: Pinheiro, Abul e Bugio. Conimbriga, 25. Coimbra, p. 153-173.

CARDOSO, M. (1944) - Novo achado de jóias préromanas. Revista de Guimarães, 54 (12). Guimarães, p. 1928.

COFFYN, A. (1983) - La fin de l' Áge du Bronze dans le centre-Portugal. O Arqueólogo Português, 4 (1), p.169-196.

COFFYN, A. (1985) - Le Bronze Final Atlantique, dans la Péninsule Ibérique. Paris: Diffusion du Boccard.

DIOGO, A. M. D. (1980) - Fornos de ânforas do Monte do Bugio Notícia preliminar. Conimbriga, 19. Coimbra, p. 147-150.

DIOGO, A. M. D. (1983) - Fornos de ânforas do Monte da Enxurrasqueira e do Vale da Cepa. Notícia preliminar. Conimbriga, 22. Coimbra, p. 209-215.

DIOGO, A. M. D. & FARIA, J. C. (1989) - Trabalho e produção no Sado durante a época romana. Movimento Cultural, 4 (6). Setúbal, p. 81-92.

DIOGO, A.M. D. & FARIA, J. C. (1990) - Fornos de cerâmica romana no vale do Sado - alguns elementos. In Ânforas lusitanas: tipologia, produção e comércio. Conimbriga/Paris: Museu Monográfico/Diff. de Boccard, p. 173-186.

DIOGO, A.M. D., FARIA, J. C. & FERREIRA, M. A. (1987) - Fornos de ânforas de Alcácer do Sal. Conimbriga, 26. Coimbra, p. 77-111.

DIOGO, A. M. D.; CARVALHO, A. Gonçalves de; REBELO, I. M. de Sá, FERNANDES, J. A. de Carvalho & ROLO, M. F. G. (1984) - O material dos fornos romanos da Enchurrasqueira no Museu do Mar (Cascais). In Série Arqueológica, 1 (3). Cascais, p. 16.

ENCARNAÇÃO, J. (1984) - Inscrições romanas do Conventus Pacensis (Subsídios para o estudo da Romanização), 2 Vols.. Dissertação de Doutoramento em Pré-História e Arqueologia apresentada à Faculdade de Letras de Coimbra.

FARIA, J. C. L. & FERREIRA, M. A. (1986) - Estações inéditas da época romana do concelho de Alcácer do Sal: breve notícia. Conímbriga, 25, p.41-51.

FARIA, J. C. & FERREIRA, M. A. (1988) - Intervenção arqueológica em Santa Catarina de Sítimos (Alcácer do Sal) - Um exemplo a seguir. Movimento Cultural, 4. Setúbal, p.11-15.

FERREIRA, C. J. A. et al. (1993) - Património Arqueológico do Distrito de Setúbal. Subsídios para uma carta arqueológica. Setúbal: Associação de Municípios do Distrito de Setúbal, p. 373.

GOMES, M. V. (1986) - O Touro da Herdade de Corte Pereiro (Alcácer do Sal). In Trabalhos de Arqueologia do Sul.

HELENO, M. (1935) - Jóias pré-romanas. Ethnos, 1. Lisboa, p. 229-257.

HELENO, M. (1956) - Um quarto de século de investigação arqueológica. O Arqueólogo Português, S. 2, 3. Lisboa: Museu Etnológico do Dr. Leite de Vasconcelos, p. 221-237.

LEISNER, G. & LEISNER, V. (1959) - Die Megalithgräber der Iberischen Halbinsel. Der Westen. 2. Lieferung. Berlin: Walter de Gruyter.

MACHADO, J. L. S. (1964) – Subsídios para a História do Museu Etnológico. O Arqueólogo Português, S. 2, 5. Lisboa: Museu Etnológico do Dr. Leite de Vasconcelos, p. 51- 448.

MAYET, F. & TAVARES DA SILVA, C. (1992) - Abul: um estabelecimento orientalizante do século VII a.C. no Baixo Vale do Sado. Setúbal Arqueológica, 9-10, p. 315-334.

MAYET, F. & TAVARES DA SILVA, C. (1997) - L’atelier d’amphores de Pinheiro (Portugal). Paris

MAYET, F. & TAVARES DA SILVA, C. (1998) - Exploração arqueológica do Sado. Almadan, 6, S. 2. Almada, p. 14-18.

MAYET, F. & TAVARES DA SILVA, C. (2002) - L’atelier d’amphores d’Abul (Portugal). Paris: De Boccard.

MAYET, F. & TAVARES DA SILVA, C. (2005) - Abul. Fenícios e Romanos no vale do Sado. Phéniciens et Romains dans la vallée du Sado. Setúbal: Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal/Assembleia Distrital de Setúbal, 107 pp.

PEREIRA, M. H. da Rocha (coord.) (2007) – Vasos Gregos em Portugal. Aquém das colunas de Hércules. Lisboa: Museu Nacional de Arqueologia.

QUINTELA, A. C.; CARDOSO, J. L. & MASCARENHAS, J. M. (1986) - Aproveitamentos Hidráulicos Romanos a Sul do Tejo. Contribuição para a sua Inventariação e Caracterização. Lisboa: Direcção Geral dos Recursos e Aproveitamentos Hidráulicos - Secretaria de Estado do Ambiente e dos Recursos Naturais.

REIS, H. (2013) - O povoamento do Mesolítico Final e Neolítico Antigo do vale do Mira, no seu contexto regional. Dissertação de Mestrado em Arqueologia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Policopiado.

RIBEIRO, L. & SANGMEISTER, E. (1967) - Der neolithische fundplatz von Possanco bei Comporta/ Portugal. Madrider Mittlelungen, 7, p. 31-45.

ROCHA, M. F. S. (1979) - Alguns antoniniani e aureliani de um tesouro da região de Coimbra. Nummus, 2, S. 2, p. 73-86.

ROCHA PEREIRA, M. H. (1962) – Greek vases in Portugal. Coimbra: Universidade de Coimbra.

ROUILLARD, P. (1991) – Le grecs de la Péninsule Ibérique du VIII au IV siècle avant Jésus-Christ. Paris : Diffusion de Boccard.

SAA, M. (1956) – As grandes vias da Lusitânia: O itinerário de Antonino Pio, 1. Lisboa: Sociedade Astória.

SANTOS, M. F. (1967) - Concheiro mesolítico do Barranco da Moura, Grândola. O Arqueólogo Português, S. 3, 1, p. 113-114.

SANTOS M. F. (1968) - Concheiro mesolítico da Fonte da Mina. Grândola. O Arqueólogo Português, 2, S. 3, p.183.

SANTOS, M. F. (1972) - Pré-história de Portugal. Lisboa: Verbo.

SANTOS, M. F.; SOARES, J.; TAVARES DA SILVA, C. (1974) - O concheiro epipaleolítico do Cabeço do Pez (Vale do Sado - Torrão). Primeira notícia. Actas do III Congresso Nacional de Arqueologia, Porto: Ministério da Educação Nacional, p. 173-189.

SCHUBART, H. (1975) - Die Kultur der Bronzezeit im Sudwesten der Iberischen Halbinsel. Berlin: Walter de Gruyter & Co.

SOARES, J. (1980) - Estação romana de Tróia. Setúbal: Câmara Municipal de Grândola.

TAVARES DA SILVA, C. & SOARES, J. (1976-77) - Contribuição para o conhecimento dos povoados calcolíticos do Baixo Alentejo e Algarve. Setúbal Arqueológica, 2-3, p.179-272.

TAVARES DA SILVA, C. & SOARES, J. (1986) - Intervenção arqueológica na vila do Torrão: ocupação calcolítica. Actas do I Encontro Nacional de Arqueologia Urbana (Setúbal 1985). Lisboa: Instituto Português do Património Cultural.

TAVARES DA SILVA, C. & SOARES, J. (1987) - O povoado fortificado calcolítico do Monte da Tumba. I - Escavações arqueológicas de 1982-86 (Resultados preliminares). SetúbalArqueológica,8, p. 29-79.

TAVARES DA SILVA, C. & SOARES, J. (2000) - Capturar a mudança na Pré-história recente do Sul de Portugal. Actas do 3º Congresso de Arqueologia Peninsular, 4. Porto: ADECAP, p. 213-224.

TAVARES DA SILVA, C.; SOARES, J.; BEIRÃO, C. de Mello; DIAS, L. F.; COELHO-SOARES, A. (1980-81) - Escavações arqueológicas no castelo de Alcácer do Sal (campanha de 1979). Setúbal Arqueológica, 6-7, p. 149-218.

TAVARES DA SILVA, C.; SOARES, J.; CARDOSO,J.; CRUZ, C. S.; REIS, A. S. (1986) - Neolítico da Comporta: aspectos cronológicos (datas 14C) e paleoambientais. Arqueologia, 14, p. 59-82.

VASCONCELOS, J. L. de (1895) - Excursão archeologica a Alcácer do Sal. O Arqueólogo Português, 1 (3), 1ª série, Lisboa, p. 65-92.

VASCONCELOS, J. L. de (1896) - Novas moedas de Salacia. O Arqueólogo Português, 2 (12), S. 1, Lisboa, p. 280-282.

VASCONCELOS, J. L. de (1898) - Excursão archeológica ao Sul de Portugal. O Arqueólogo Português, 4. Lisboa, p.103-134.

VASCONCELOS, J. L. de (1914) - Excursão archeologica à Extremadura Transtagana - Alcácer do Sal. O Arqueólogo Português, 19 (7-12), S.1, Lisboa, p. 300-308.

VASCONCELLOS, J. L. de (1927) - De terra em terra: excursões arqueológico-etnográficas através de Portugal (Norte, Centro, e Sul), 1-2. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, S.A..

VIANA, A. (1948) – Alcácer do Sal. In Arquivo de Beja, 5, p. 9/10.

ZBYSEWSKY, G., ANTUNES, M. T. & FERREIRA, O. V. (1976) - Carta geológica de Portugal na escala 1:50.000, folha 39-A, Águas de Moura, notícia explicativa. Serviços Geológicos de Portugal, 59 pp.